Pharrell Williams Brasil

CategoriaEntrevista

Veja Toda a Conversa de Pharrell, Scott Vener, Aziz Ansari e DJ Khaled no OTHERtone

O i am OTHER disponibilizou o vídeo completo da hilária conversa que Pharrell e Scott Vener tiveram com o comediante Aziz Ansari e DJ Khaled.

Aziz lembra do comercial que DJ Khaled fez para o McDonald’s, o que fez Scott mencionar quando Williams fez um vídeo cantando dançando pedindo um lanche em um dos restaurantes da franquia. Dá uma olhada:

Missy Elliott Fala Sobre Pharrell em Entrevistas

Missy-elliott-The-Voice-9-Temporada-pharrell-williams

Missy Elliott voltou com tudo! Seu novo single “WTF” produzido por Pharrell está em segundo lugar em vendas na lista R&B/Hip Hop da Billboard, o vídeo da música foi lançado há duas semanas e já tem quase 19 milhões de visualizações.

A rapper de Virginia Beach deu diversas entrevistas e, lógico, falou sobre seu conterrâneo Pharrell Williams e como ele fez parte na sua volta triunfal.

Em entrevista para o The Guardian

Parece que você quase voltou algumas vezes nos últimos 10 anos. Por que agora é a hora?
Wow! Bom, as outras vezes, estávamos apenas testando a água. Dessa vez Pharrell foi o capitão do navio – me pediu para performar com ele no BET Awards, e depois Katy Perry me pediu para fazer o Super Bowl com ela. Depois do Super Bowl, eu fiquei em choque. Várias pessoas me ligaram dizendo ‘você tá vendo o que está acontecendo?’, ‘você está ouvindo o que as pessoas estão comentando?’. Porém, eu estava em casa lavando louça e aspirando meu chão. Então, Pharrell me ligou. Ele disse: ‘Se você aceitar, eu gostaria de ir pro estúdio com você.’ Eu pensei ‘Isso é o Pharrell. Não estou fazendo nada. Estou aspirando meu chão’. Então eu disse OK.

26-fevereiro2015-Missy-Elliott-Pharrell-Williams-Estúdio

É interessante que Timbaland é o que sempre falou da sua música nessa última década, mas você foi de Pharrell em “WTF”.
É engraçado – eu, Pharrell e Tim somos de Virginia. Somos família. Tim e Pharrell eram de um grupo chamado Surrounded By Idiots. Eu sempre digo que se for para trabalhar com alguém além de Timbaland em meus projetos, tem que ser Pharrell, porque ele ainda é família. Na verdade, Tim e P estavam em uma ligação há uns dias atrás – era para nós entrarmos no estúdio todos juntos, trabalhar, finalizar coisas. Eu não sabia que eu iria de Pharrell no primeiro single, mas quando ele tocou a batida eu fiquei tipo “Oh meu Deus”. Queria uma canção que fizesse as pessoas se mexerem e dançarem novamente.

Qual foi a sua reação quando ouviu a primeira linha de Pharrell na sua canção que ele diz: “I come into this bitch like a liquid”*?
[Risadas altas seguido por um breve suspiro] Hey! É Pharrell! Na verdade, quando ele tocou a batida, ele já havia escrito seu verso. Ele sabia assim que entrou no estúdio – ele disse: “Ei, eu tenho que soltar umas linhas nesta coisa.” Quando ele começou a fazer o rap, o flow era tão louco que ele poderia ter dito qualquer coisa! Eu senti como se fosse o Pharrell do Neptunes – nave espacial, futurista, coisas tipo boombastic, sabe? Ei! Pharrell pode dizer qualquer coisa e tornar foda!

Em entrevista para I-D

Missy-Elliott-Entrevistas-Pharrell-Williams-2015

Como você se sentiu com as reações até agora sobre “WTF”?
Estou tão humildemente grata. A noite antes do lançamento, me senti como uma criança à espera do Papai Noel descer pela chaminé. Eu tive ataque de ansiedade e tudo! Eu só esperava que todos gostassem do vídeo. Agradeço a Deus e agradeço Pharrell, e Dave Meyers e Hi-Hat. Sem eles, não teria sido possível.

Mas por que agora? Essa canção faz parte de um projeto maior que está por vir da Missy?
Bem, Pharrell me ligou antes do Superbowl, para fazer o BET Awards [em 2014], e depois do Superbowl, ele me deu um toque de novo tipo ‘Yo, o que você está fazendo?’ Eu estava basicamente limpando a casa! Eu tinha voltado para minha vida normal. Eu estava em casa aspirando, passeando com meus cães – depois do Superbowl, eu voltei a agir normal. Ele disse: ‘Eu não estou tentando pressioná-la, mas as pessoas sentem sua falta. Você vê o que está acontecendo? Você já viu os gráficos?’ Acho que ainda estava em choque. Ele ainda não tinha nada gravado. Ele falou ‘Eu quero ficar no estúdio com você.’ Quem recusa Pharrell? Ele me deu um voo para Los Angeles e me colocou para cima e entramos no estúdio e ele disse ‘Yo! Eu tenho essa beat louca’. Você sabe, Pharrell, ele está muito zen, muito yoga, ele é um querido. Mas desta vez, ele estava em linha reta em direção a malandragem, tipo ‘Yo, eu tenho essa música louca pra você, eu já escrevi meu rap, tenho que pegar suas palavras e coloca-las nisso’. Então, ele tocou e uma vez que ele tocou, era como ‘Oh meu Deus’ Ele disse: ‘Eu sei que você vai matar isso’. Eu disse, ‘Bem, deixe-me levar isso para casa e ver o que posso fazer’. Quando algo é tão quente, eu não quero fazer qualquer coisa que me vem a mente, eu quero levar para casa e certificar de dar o meu melhor. Ele disse: ‘Ouça, basta lembrar quem você é. Você sempre foi divertida e animada. Você sempre fez as pessoas quererem dançar. Olhe no espelho e lembre quem você é. Está na hora. É o seu tempo.’ É assim que aconteceu. Assim que a música estava feita, eu sabia que era hora de gravar um vídeo. A ideia de fantoches, eu tinha visto alguém fazer na rua. Eu segurei essa ideia há cinco anos, porque eu não tinha uma faixa que combinava com esse conceito. Então eu mostrei ao Pharrell o clipe que eu tinha, e ele disse: ‘Você sabe que você tem que fazer um vídeo para isso’. Acredite ou não, estamos fazendo este vídeo desde março. Os bonecos em si levaram dois a três meses para fazer. Tudo muito detalhado. Tivemos pessoas da Star Trak (i am OTHER?) trabalhando nesse vídeo, então era muita coisa.

Há uma linha em WTF que diz ‘Não desista quando as pessoas duvidam de você’ e você menciona que Pharrell te lembrou o impacto que você teve sobre a cultura popular. Você perdeu a confiança? Você sentiu que não tinha mais em você algo continuar a fazer música?
Oh, definitivamente. Definitivamente. Eu nunca parei de gravar, mas eu passei por um período em que … a única coisa que muita gente não sabe é que durante o tempo que eu era artista, eu era um compositora e produtora. Então eu tive que escrever e produzir para outros artistas e, em seguida, manter o meu som e eu mesma como artista. Então todo esse tempo, eu estava fazendo Missy e também tendo certeza que estava dando a todos esses outros artistas um som diferente. Isso foi difícil para mim. No início, não era, mas, em seguida, quando começou a se acumular, foi duro. Quase ninguém faz isso. Você pode contar nos dedos, provavelmente, quantos artistas também produzem e escrevem, tanto para si e para os outros e são capazes de ser bem sucedido em ambas as coisas. Então, eu precisava de uma pausa. Mas, nesse intervalo, eu senti como se tivesse perdido tempo. Então eu acabei ficando doente [Missy foi diagnosticado com doença de Graves em 2011], mas depois, sim, foi um tempo em que eu me sentia tipo ‘Eu ainda tenho algo?’ Especialmente quando você vê uma leva totalmente nova, toda uma nova geração de crianças aparece e a música não é como antes. Eu me senti como, ‘Como eu me encaixo?’ Eu estou lutando. Mas, então, eu nunca cabia dentro! O tempo todo, eu nunca parecia caber! Mas ainda rolava essa batalha. As pessoas ainda querem ouvir algo criativo e arriscado hoje em dia? As pessoas podem não ser aceitar bem sua música. Então eu lutei contra isso e agradeço a Deus por alguém como Pharrell que ficou no meu ouvido. Para ele, naquela época, “Happy” estava por toda parte, ele não tinha que compartilhar nada comigo. Ele me disse: ‘Você me ligue a qualquer hora que você se sentir assim, porque eu passei por essa mesma coisa na minha vida e quero ter certeza que eu te puxo para cima. Eu estive lá e sei como se sente.’

Fonte: TheNeptunes.Org

Pharrell Conversa com Jason King da NPR Music para a NYU Tisch School Of Arts

NPR-pharrell-williams-townhall-NYU-TISCH-School-Of-Arts-Jason-King-Conversa-Outubro-26-2015-1

Se você perdeu o stream dia 26 de outubro, relaxa que o vídeo está no youtube (abaixo) para você ver a conversa que Pharrell Williams teve com o professor da Universidade de Nova York e o apresentador Jason King, que trabalha no canal de R&B do Youtube ‘NPR Music’, em uma sala cheia de alunos da NYU. Ele foi recentemente nomeado Artist-in-Residence 2015 da NYU Tisch School of the Arts, um papel que celebra e homenageia personalidades de destaque em seu campo.

O objetivo da conversa foi celebrar o 50º aniversário da escola de arte e o plano era se aprofundar no trabalho de Pharrell. Embora seja fácil de reconhecer os altos e baixos da carreira dele (porque a maioria de nós vivemos enquanto elas aconteciam), a conversa ao vivo deu a seus admiradores um olhar a um lado raramente visto de Skateboard P. A maioria das histórias que ele compartilhou, os fãs já ouviram falar em outras entrevistas. Mas eram suas reações e demonstrações que mais se destacaram. E também é legal vê-lo em 2015, olhando para trás para seus primórdios. Muita coisa acontece em 20 e poucos anos. Dá uma olhada:

Vendo as ‘confissões’ de Pharrell, descobrimos algumas coisas:

1. Pharrell Sofre de “Síndrome do Voicemail”
De acordo com P, “síndrome do correio-de-voz” é quando você odeia ouvir a si mesmo no correio de voz. A expressão foi dita por ele com tamanha naturalidade que parecia ser uma síndrome real, com milhões de peças de reflexões escritas sobre o assunto. Não era. Neste caso, Pharrell não está falando de mensagens de voz, mas a timidez que ele tem de ouvir suas próprias obras musicais em público. Durante a entrevista, King tocou “Superthug” quando Pharrell o deteve. “Fico tímido em ouvir minha própria música.” E não era só da música que Pharrell estava com vergonha, mas também do seu visual. No vídeo, que foi gravado em 1998, Williams aparece em uma bandana e úclos amarelos. A multidão deu uma coletiva “awwwww”, mas não foi o suficiente para Pharrell fugir sem ouvir sua música no palco, mesmo com ele cobrindo rosto o tempo todo.

2. Brasil Inspirou “Milkshake” da Kelis
Às vezes a inspiração vem de lugares improváveis. Mas ser inspirado por um país como o Brasil soa completamente plausível, especialmente se é para escrever e produzir um single único como “Milkshake” de 2003 da cantora Kelis. A história é, Pharrell estava em uma boate no Brasil cercado por belas mulheres e um tipo de música que ele denomina “booty shaking music em português”. Foi isso que inspirou a criar o certo sentimento. O sentimento de vou dançar a noite toda. Usando sons do Oriente Médio, ele fez uma batida que era bastante diferente do que ouviu, mas bastante familiar com que nós brasileiros adoramos. Sucesso.

3. Ele é o “Mr. Magoo da Música.”
Mr. Magoo, um personagem de desenho animado dos anos 60, é um homem velho que sempre entra em confusões porque ele não podia ver. Magoo nunca se machucou e sempre saiu ileso. Pharrell da teoria do “Mr. Magoo” o tempo todo, dizendo que ele era o Mr. Magoo da música. Toda vez que ele saia com o objetivo de conseguir algo, não funcionava. Mas, quando as coisas chegavam até ele, funcionava. As oportunidades que deram certo em sua carreira, em sua maioria, foram apresentadas a ele.

4. Ele não contou nada sobre trabalhar com música até ganhar seu primeiro disco de ouro.
Virginia Beach era uma cidade que ninguém tinha ambição de trabalhar com música. Pharrell disse que não falou para seus pais que sonhava trabalhar com música porque provavelmente eles não entenderiam. “Por isso, o meu primeiro contrato era tão ruim”, admitiu Pharrell.

5. “Frontin’” Foi Feita Para Prince.
Ele enviou a música para Prince esperando que ele a gravasse, mas infelizmente (ou felizmente) ele nunca teve uma resposta do cantor, por motivos de Prince. Pharrell também comentou que o pessoal da sua gravadora dizia que algo estava faltando. Foi quando Hov entrou na pista e tudo ficou claro. “Estava faltando Jay-Z.” E tudo estava certo no mundo. Isso também se transformou em uma oportunidade para Pharrell flexionar seus falsetes.

6. Ele Se Considera Um Produtor, Antes de Se Considerar Um Artista.
Até Daft Punk pedir para ele cantar em seus singles do álbum Random Access Memories em 2012, Pharrell não se considerava um artista solo. Este tempo todo, ele se considera um homem de sorte o suficiente para ser o produtor que teve a oportunidade de cantar em suas músicas. “Eu ainda me considero esse produtor que está recebendo oportunidades”.

7. Skateboard P Está no Trem de Hillary Clinton.
Em um ponto na entrevista, Pharrell se pegou soando como um robô vulgo “como Donald Trump.” P sabe que qualquer coisa que ele disser estará em mídias sociais em um piscar de olhos, então ele rapidamente esclareceu que ele não é Trump, mas Hillary Clinton. “É o momento para uma mulher”, disse ele. No início deste mês, Pharrell e Ellen DeGeneres estavam discutindo a próxima eleição presidencial quando Pharrell disse: “É hora de uma mulher estar lá.” Como um homem, sua razão para querer uma mulher no cargo faz 100% de sentido. Ele continuou dizendo: “As mulheres pensam sobre as coisas de uma forma holística; não é tão individual. A coisa é, se tivéssemos alguém cuidando de nosso país pensando sobre as coisas como um todo, eu sinto que ele seria diferente.”

8. A primeira música que os The Neptunes produziram foi “Tonight Is the Night” do Blackstreet.
Pharrell e Chad Hugo eram da gravadora de Teddy Riley. Eram assinado como um grupo musical, junto com Shae Haley e Mike E. Porém, o selo de Riley precisava de uma gravadora maior para distribuição, que era nada mais nada menos que a MJJ Records, do Michael Jackson. “Mas, algo deu errado e esse outro grupo chamado Men Of Vizion assinou o acordo. E no processo, tivemos a chance de produzir e compôr canções para outros artistas. A primeira música que produzimos foi ‘Tonight Is The Night’, que foi composta por Tammy Lucas.”

9. Tammy Lucas Ensinou Ele a Compôr Músicas
“Até aquele momento eu escrevia apenas raps”, afirmou Pharrell. “Ela me ensinou a compor melodias. Ser levado pela melodia e não pela letra da música.”

Teddy-Riley-Tammy-Lucas-Pharrell-Williams-Chad-Hugo-Anos-90

Tammy Lucas com Pharrell, Chad e Teddy Riley

10. O Segredo Para O Sucesso? Divirta-se e Seja Diferente.
Um estudante foi até o microfone para pedir um conselho a P sobre como fazer música pop com uma mentalidade comercial. “Eu não o aconselharia tentar soar como você estivesse no Hot 100 … Divirta-se na sua diferença. Lapide sua diferença até você fazê-la brilhar”, disse Williams. Em outras palavras, diverta-se e seja único. Quando ele estava falando sobre suas origens musicais com Chad, ele fez questão de enfatizar que eles não sabiam o que estavam fazendo.” Apenas se divirta. É assim que geralmente acaba sendo legal.”

11. “Caught Out There” Era Pra Ser do Busta Rhymes
Jason pergunta sobre Kaleidoscope, primeiro álbum da cantora Kelis, totalmente produzido pelo The Neptunes. Pharrell rapidamente fala que “Caught Out There”, primeiro single do disco, foi feita para o rapper Busta Rhymes. “Mas ele disse ‘Nah, filho!”, falou P.

Fonte: TheNeptunes.Org

Entrevista de Pharrell com TheNational.ae

Entrevista-The-National-AE-Pharrell-Williams

Por Saeed Saeed.

Pharrell Williams, que se apresentou no Mawazine Festival em Rabat (Marrocos) no meio do ano, falou com o jornal do país TheNational.ae sobre canalizar sua criança interior, ser coach no The Voice, e sua performance não-tão-boa em Abu Dhabi do ano passado.

Você perdeu sua voz durante seu show em Abu Dhabi ano passado. Deve ter sido uma noite longa.
Tentei meu melhor aquela noite. Não há sensação melhor do que um relacionamento feliz com o público, porque eles estão lá com você. E enquanto minha voz estava extremamente tensa, a platéia de Abu Dhabi me carregou. Às vezes, um show como esse é muito melhor de quando eu dou uma performance vocal boa. É em momentos como esses que você sabe que seus fãs realmente te amam. Eles te ajudam e estarão por trás e ao seu lado e te levarão para todos os lugares.

Alguma chance de você voltar para a capital na sua próxima grande turnê?
Claro, absolutamente!

O rapper Kendrick Lamar está para lançar o vídeo para a música Alright, que você produziu. Pode nos falar um pouco sobre essa colaboração?
Um dos meus assistentes gosta muito de Trap e eu queria criar algo que estava na mesma veia, porém mais quente e colorido. Então, adicionei um Rhodes [piano] e outros instrumentos que geralmente não são usados nesse estilo de música, para soar um pouco místico.

Já que seu mega sucesso “Happy” é tão popular com as crianças, você pensaria em fazer músicas para esse público?
Minha maior intenção nos últimos dois anos foi fazer música para atingir todo ser humano, não só para adultos, mas para crianças também. Quero dizer, crianças são tudo. E até onde eu sei, continuo um crianção.  Ainda uso meias do Bob Esponja, uso pantufas durante grande tempo do dia e pasta de amendoim e geleia é a delicia da minha vida – é filé mignon pra mim. Eu sempre penso na molecada porque me considero um deles.

Sentir-se jovem é uma coisa, mas parecer novo é outra. Você já cansou das pessoas falando sobre como você não envelhece?
Eu tenho 42 anos – você acha essa informação na internet. Mas, me sinto com 25. Um pouco de loucura é bom para as pessoas.

Como um observador de talentos e mentor na versão americana de The Voice, o quão difícil é para os artistas aspirantes na indústria?
Não é apenas sobre estar na frente da pessoa certa no momento certo. A coisa mais importante sobre a música é que ela precisa sentir bem e especial para você. Há uma rotina e você tem que trabalhar duro, mas ao mesmo tempo, agora não precisamos de uma gravadora para descobrir talentos. Uma das coisas boas sobre a internet – também há coisas ruins – é que sua natureza ubíqua nos permite descobrir música com muito mais freqüência do que o habitual. Então, se concentrar em sua música, e, assim como qualquer coisa que importa em nosso mundo desde o início dos tempos, a melhor conduta é a palavra que sai de nossas bocas. Se a música é boa, as pessoas vão ouvir sobre isso.

E qual é a importância da imagem?
Seja você mesmo, porque se você tentar ser outra pessoa, o máximo que conseguirá é ficar em segundo. Eu sempre digo que o que te faz diferente é o que te faz especial. Mas às vezes temos que lembrar a moderar isso, porque pode ser um pouco demais para algumas pessoas. Então, dar às pessoas fatias de si mesmo em pequenas doses – esse é o meu conselho.

Você e Jimmy vão se reunir novamente algum dia no The Tonight Show para fazer aquele hilário show da dupla Afro & Deziak?
Jimmy é hilário. Fazer aquilo apenas me deu a oportunidade de me expressar. Sou muito grato por essa oportunidade.

Fonte: TheNeptunes.Org

A$AP Ferg Diz Que Pharrell É Foda e É Tipo um “Monge” no Estúdio

asap_ferg-pharrell-williams-monge-estúdio

A$AP Ferg diz que trabalhar com Pharrell Williams é “foda” e ele é tipo um “monge” no estúdio. Os dois trabalharam juntos no segundo álbum de Ferg, que ele diz estar quase pronto e só falta alguns ajustes.
O rapper admite ter ficado em “êxtase” por gastar alguns dias no estúdio com Williams. “Ele é tipo um irmão mais velho”, disse Ferg. “Ele me deu um monte de conselhos e lança joias.”

Pharrell-Williams-ASAP-Ferg-Dia-2-Estudio

“Só de ter a experiência de poder estar no estúdio com uma pessoas que eu idolatrei por tanto tempo foi sensacional. Ele mudou minha vida com música porque ele me mostrou que era ótimo ser diferente e fazer a música do jeito que você quiser fazer.”

Fonte: BBC.Co

[Atualizado] A$AP Rocky É o Convidado do Próximo OTHERtone com Pharrell e Scott Vener

“Psicodélico” foi o tema do OTHERtone desse último domingo com A$AP Rocky, Pharrell e Scott Vener. A$AP falou sua experiência com LSD, e enquanto A$AP falava sobre a intuição feminina sua mãe liga no meio do programa.

Ouça na integra a seguir:

Post de 11 de setembro

A$AP-Rocky-OTHERtone-Beats1-Apple-Music-Entrevista-Pharrell-Williams

O rapper A$AP Rocky é o convidado do sexto episódio do programa OTHERtone da Beats1 Radio da Apple Music com Pharrell Williams e Scott Vener. Dá uma olhada em um trecho da conversa que eles tiveram:

O programa vai ao ar nesse final de semana, domingo, 13 de setembro.